Pequenos livros: Contagem Regressiva


Pronto para a contagem regressiva!

Capa

Como vivenciar os momentos antes de dormir? O que levar? O que fazer? Para o garoto deste livro, este momento é  uma aventura!  Daquelas que nos ajudam a encarar todos momentos da vida.

Contagem regressiva foi publicado originalmente em 2005, com o título original Countdown. Gosto de pensar que este livro não foi escrito, segundo a sinopse brasileira, somente para introduzir os números de 1 a 10 e para divertir os leitores antes de dormir.  Há uma história para além dessa que nos permite uma reflexão sobre nossos momentos.

contagemregressiva1

A autora, Kay Woodward, trabalha com publicações voltadas para o público infantil  desde 1992. Primeiramente foi editora antes de escrever os próprios livros. Segundo seu site oficial, ela diz que escrever livros é o melhor trabalho de todos. Irlandesa,  nunca morou a mais de 10 Km do mar e sua cor favorita é Azul-marinho. Para conhecer mais clique aquiaqui , aqui ou aqui.  

A ilustradora Ofra Amit trabalha com ilustrações desde 2000. Israelense, formou-se em  comunicação visual em Haifa e já ganhou inúmeros prêmios. Para conhecer mais sobre seu trabalho clique aqui.

As ilustrações do livro traz a sensação de que poderia ser minha casa, com os espaços que sempre passei. Se você prestar bem atenção dá para ver as pinceladas da ilustradora (Isso é fantástico). O gráfico das letras sofre variações quanto ao tamanho (médio a pequeno), porém, não há alteração de cor.

O livro foi publicado no Brasil pela editora A Girafa, dentro do selo girafinha. Com tradução de Fabiana Werneck Barcinski.

~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

O momento antes de dormir sempre demonstrou muito do que temos com nós mesmos. Para alguns, ele deve ser adiado (medo,angústia,  talvez?), devendo permanecer o mais acordado possível. Para outras pessoas,  é um momento muito importante. Momento de olhar para si mesmo.

Para mim, sempre variou. Já tive inúmeras dificuldades para conseguir dormir. Já tive medo de acabar o dia. Ou, se acabasse, que eu pudesse esquecer tudo o que passou. Não vou mentir, de vez em quando ainda é assim!

contagemregressiva2

O grande problema é não sentir o tempo passar, não ter noção de vivenciar os momentos. Nesse sentido, acho que um hábito, como ler um livro antes de dormir, poderia me ajudar. Talvez, assim, eu poderia descansar um pouco.

As vezes acho que só falo de dificuldades nessa parte do texto, mas, talvez eu só queira compartilhar questões que provavelmente existem em várias pessoas (Por favor! Falem-me que eu não estou sozinho nessa!) e não temos um espaço para conversar sobre elas.

contagemregressiva3

Para além disso, continuo buscando um momento em que eu realmente posso descansar e quem sabe ser uma aventura.

~~//~~

Pergunta do dia: Como é seu momento antes de dormir?

Pequenos livros: O Carteiro Chegou


Pedalando pela estrada

(Caía a noite estrelada),

Alguém vai indo pro sul:

É o Carteiro da comarca

Em seu uniforme azul […]

DSCN1494

Será que todo mundo recebe cartas? Até mesmo os ursos, lobos, vovós e princesas? É com essa possibilidade que este livro nos encanta. A jornada de um carteiro.

“O carteiro chegou” foi publicado originalmente em 1986 por Janet & Allan Ahlberg e foi um dos grandes sucessos do casal. Eles trabalharam por 20 anos juntos, com mais de 40 livros e vários prêmios.

o_carteiro_chegou2

O ritmo da história, com o carteiro visitando as casas, e a possibilidade de ver os envelopes e retirar para ler as cartas entregues dão a sensação de realmente entrar na história.Com capa dura, ilustrações delicadas, acompanhamos a intimidade de personagens já conhecidos por nós, como a cachinhos dourados, Cinderela, o Lobo Mau, entre outros.

Gosto de quando um livro interage com seus leitores, trazendo mistério e curiosidade para explorá-lo.

o_carteiro_chegou7

No Brasil, o livro foi publicado pela editora Companhia das Letras com tradução de Eduardo Brandão.

~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

Eu sempre fiquei feliz ao enviar e receber uma carta ou cartão postal. Não sei o motivo. Mas, a ansiedade da espera, os detalhes dos envelopes, a surpresa do que vou encontrar é um sentimento muito único.

o_carteiro_chegou5

A preparação de envio também sempre exigiu muito de mim… Quero dizer um milhão de coisas, mas, sei que neste momento são só para as coisas essenciais. Não teria sentido escrever tudo o que vi, ouvi e fiz.  Você não sabe o momento em que a outra pessoa vai receber, é demorado. Restam assim, as peripécias cotidianas mais significativas.

Eu e a Flávia colecionamos postais e trocamos cartas com alguns correspondentes estrangeiros e lembro-me quando, em um dia triste, daqueles dias que quase nada nos animam, ter recebido uma carta do sri-lanka. A carta trouxe consigo um carinho, sinceridade e amor que era impossível não se sentir bem.

o_carteiro_chegou8

Falando em coleção de postais, estamos preparando um post super especial contando sobre eles. Quem sabe, você, meu leitor, não se anima de trocar correspondência comigo.

~~//~~

Pergunta do dia: Você gosta de enviar ou receber correspondência? (Menos contas para pagar claro! Haha)

Campanha por um blog sem erros!

Pequenos Livros: Azul-Banana


Já pensou se o amor fosse vermelho? Daí ele seria da mesma cor da caneta de corrigir caderno e não seria muito legal! O amor é verde, verde folha.

IMG_2298 capa

As cores sempre tiveram grandes significados em nossa vida. Elas estão em todos os lugares e estão intimamente ligadas com nossas experiências. É no livro Azul-banana que o pequeno menino nos leva a conhecer sobre suas cores.

banana

O autor, Geraldo Peçanha de Almeida, já publicou mais de 30 livros. Dentre eles, há 8 infantis e Azul-banana foi o seu primeiro  livro infantil publicado. Pedagogo, já foi professor do ensino infantil e anos iniciais por nove anos. Para conhecer um pouco mais de seu trabalho clique aqui ou pode entrar em contato em seu facebook .

As ilustrações são de Paulino Fernandes Marques, licenciado em artes plásticas pela Faculdade de Artes do Paraná em 2004.

banana4

O letras são de tamanho médio com variação de cores para se adequar às ilustrações. Os gravuras permitem ao leitor entrar no mundo do garoto e reconhecer como as cores, realmente, fazem parte da sua vida e da vida do livro. É ótimo quando conseguímos sentir as palavras nas imagens.

O livro foi publicado em 2008 pela editora autores associados e pode ser encontrado aqui com uma bela promoção ( R$10,00 – visto em 21/04/2013)!

~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

Há duas cores que, até hoje, sempre me fizeram mais inteiro e tornam meu dia melhor. A cor oceano e o Cinza Tempestade. São poucas as ocasiões em que consigo enxergá-las, porém, quando aparece é simplesmente mágico.

banana5

Uma das minhas relações “corescas” é uma brincadeira que faço desde criança. Toda vez que eu acordava eu buscava sentir qual a cor que estava me representando no dia ou a primeira cor que vinha na minha cabeça. Assim, após a escolha,  eu tentava encontrar a cor em todos os lugares em que eu passava.

banana1

Esta brincadeira é muito simples e me permite descobrir muitas coisas e objetos que encontro pelo caminho.  Eu sempre gostei de fazer isso sozinho ou acompanhado por uma pessoa especial para mim. Sempre foi uma ótima sensação a de observar o mundo nos seus pequenos detalhes. Eu recomendo muito experimentarem também!

~~//~~

Pergunta do dia: O que a sua cor preferida significa para você

Campanha por um blog sem erros!

Pequenos Livros: Na Noite Escura


É noite

Talvez os vaga-lumes

Já tenham ligado

Suas lanterninhas

IMG_2234

Experiência! Esta é a palavra que, talvez, mais se aproxima do que tive ao entrar em contato com a obra de Bruno Munari. Sem pré-requisitos. Sem idade. Sem explicações.

E por não ter explicações, um texto não seria suficiente para lhes trazer um pouco do livro. Produzimos, então, um vídeo.

O autor ( 1907- 1998) foi designer, ilustrador, escritor, entre outros. Produziu vários dos chamados “livros-ilegíveis” e ganhou inúmeros prêmio. Para conhecer um pouco mais sobre seu trabalho, clique aqui ou aqui . Neste link aqui, você pode encontrar, em português de portugal, considerações de  Bruno Munari sobre os livros para crianças.

A importância do livro como um todo e seu “experimentar” está totalmente presente “na noite escura”. Com três diferentes tipos de papéis, texturas e cores adentramos uma interligação entre o suporte material e o visual.

Na noite escura teve sua primeira edição em 1956 e republicado pela editora italiana Corraini em 1996. Chegou ao Brasil em 2007 pela Editora Cosac Naify com tradução de Nilson Moulin.

~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

Ou não. A experiência nunca pode ser comparada. Estamos tão acostumados a fugir dela que, quando entramos em contato com algo/alguém , causa-nos imensa dor. A produção do vídeo revelou muito dessa dor que é experimentar nossos sentimentos sem palavras.

noite

A ideia deste livro traz bem esta questão. Estamos em um mundo tão rápido e simbolizado apenas por letras. E quando nossos sentimentos não encontram palavras? Estamos preparados para lidar com eles?

Ao virar as páginas do livro eu ia chegando mais perto do que eu procurava. Eu ia atrás de uma luzinha. Queria tocar, agir, pegar. Fui curioso. E eu sabia o que deveria fazer, virar mais uma página.

noite1

Pensei muito na minha vida, quais são as luzinhas que estou perdendo, o que tampa a minha visão? Não posso sair virando a página da minha vida sem vivê-la. Ainda sim, não a vivo para entender as únicas luzinhas que enxergo.  Tomando o profundo pelo superficial. Minha noite chove.

~~//~~

 Pergunta do dia: Você se lembra da maior experiência da sua vida? (Até mesmo pode ser aquele sabor daquele doce que você comia quando era criança)

Campanha por um blog sem erros!

Pequenos Livros: Lino


“Os dois rodopiaram de mãos dadas

Até ficarem tontos de se deixar

Cair no chão de tanto rir”

DSCN1304 foto

Quando a sua “melhor pessoa” some, o que fazer? Lino, um porquinho de pelúcia teve de lidar com essa situação. Sentiu que iria desaparecer. Porém, encontrou Estrela e tudo mudou!

Lino teve sua primeira edição em 2010 e foi um dos grandes sucessos de seu autor e ilustrador André Neves. André já lançou mais de 50 obras e é um artista brasileiro renomado e premiado no campo das ilustrações.

Com a palavra, o próprio autor/ilustrador:

(Projeto “Encontro com autores” da Callis Editora)

(Entrevista para a revista Crescer)

Você poder conhecer mais sobre o autor entrando em seu blog oficial , no facebook  ou em inúmeras entrevistas que ele já deu como aqui  ou aqui .

Amo quando percebo a qualidade com que foi feita cada página. As ilustrações de André Neves são incomparáveis, as cores e os sentimentos que elas expressão invadem o mundo externo ao livro. O gráfico das letras combina com a ilustração e há uma brincadeira/intencionalidade com o tamanho de algumas palavras.

No Brasil, o livro foi publicado pela editora Callis

lino5

~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

Mais um livro em que  como tema a morte/sumiço de um personagem. Porém, diferentemente do meu post anterior do livro Vó Nana, não há uma despedida. De um dia para outro Lua desaparece da vida de lino. Alguma semelhança com a nossa realidade?

lino3

Já li várias vezes o livro e, apesar dessa temática, o que mais me chama a atenção é a relação da criança com o brinquedo. Da Estrela com o Lino. Gosto de observar as ilustrações em que os dois estão juntos.

O quanto nos doamos e precisamos destes objetos. Quem nunca teve seu brinquedo/objeto  preferido? Algumas pessoas guardam até hoje!

lino1

Eu tive meu ursinho de pelúcia. Andava sempre com ele e não me recordo da nossa separação. Ele sempre me protegeu enquanto estive fora de casa, até mesmo nos momentos em que tive medo do escuro. Parece-me que ao brincar/estar com ele, preparava-me para tudo o que poderia acontecer

Sentia-me acolhido por ele (pelo o que  o velho ursinho significava para mim).  Esses objetos (pode até mesmo ser uma madeirinha, paninho, ursinho) são muito importantes para as crianças em  seu desenvolvimento, criatividade, espontâneidade, entre outros.

lino2

O que seria de mim se meu ursinho não estivesse lá (e olha que ele não era tão forte assim)?

Aposto que você tinha algo da sua casa que sempre levava para a escola, quando você era pequenininho/a!

O brinquedo de Lino, que o ajudou a “superar” a perda da Lua, foi a menina Estrela? Quem é o brinquedo no enredo do livro?

lino4

~~//~~

Pergunta do dia: Você se lembra do seu brinquedo favorito?

Campanha por um blog sem erros!

Pequenos Livros: Vó Nana


“– Tenho muito o que fazer hoje – ela disse. – Tenho de estar preparada.

 – Preparada para quê? – Perguntou Neta.

Vó Nana não respondeu. Nem precisava. Neta já sabia a resposta e isso fez com que ela sentisse um enorme vontade de chorar.”

IMG_1960

           Quando você percebe que há algo de errado com uma pessoa muito especial para você, o que você faz? Vó Nana e sua netinha sempre fizeram tudo juntas, mas, um dia a vó não apareceu para o café da manhã e tudo mudou.

nana1

Vó Nana foi publicado originalmente na Austrália, em 1995, com o título Old Pig. Este livro é um dos favoritos da autora, devido às brilhantes ilustrações de Ron Brooks que soube dar toda a sensibilidade que a história necessitava.

Margaret Wild , a autora, já escreveu mais de 40 livros e já ganhou inúmeros prêmios. Sua primeira publicação foi em 1984. Para saber mais sobre a autora você pode clicar aqui

Ron Brooks, o ilustrador, ilustra livros infantis há mais de 40 anos, também já ganhou inúmeros prêmios, inclusive com Vó Nana. É conhecido por “levar” a literatura infantil australiana para o mundo.

Emocionei-me muito com este livro e ele se tornou um dos meus preferidos. As letras do livro , a história e as ilustrações são harmônicos e criam um ar de carinho, amor e despedida.

nana4

No Brasil, foi publicado pela Brinque-Book com tradução de Gilda de Aquino

 ~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

É inevitável , ao ler o livro, pensar no que eu faria se eu descobrisse que alguém que amo está morrendo. Aliás, são poucos os livros infantis que abordam esta temática que considero muito importante.

O lidar com a morte é difícil e perceber como a neta vai observando, aprendendo e tendo os últimos momentos com sua vó dói meu coração. Dói, porque eu não tive essa oportunidade com algumas pessoas da minha família. Conversar sobre a vida.

nana3

É como se a pessoa sumisse do mundo e não tive a oportunidade de me despedir em vida. Acho que toda perda exige um luto. Quantas pessoas já passaram por minha vida e eu nem ao menos sei os sonhos delas? É incrível como tudo está passando tão depressa que vai deixando um borrão em várias partes do meu passado. Alguém já se sentiu assim?  Como me disse a Flávia uma vez: O que ficou das pessoas que você conheceu se as lembranças delas são borrões?

nana2

 ~~//~~

Pergunta do dia: A temática morte o/a assusta?

Campanha por um blog sem erros!

Pequenos Livros: O Rei Que Queria Mudar o Mundo


Uma profecia que anunciava a chegada de um rei que mudaria o mundo.  Com o desejo de ser este rei, Simon sai de sua casa para conhecer o mundo e saber como mudá-lo. Conseguirá o jovem sonhador descobrir o que procurá?

IMG_1961

Este é um livro muito belo, com um bom acabamento de capa dura.  As ilustrações delicadas e simbólicas dão um tom de aventura e esperança à história. As letras do livro são pequenas e alguns parágrafos e frases do texto ficam maiores e ganham mais destaque.

IMG_1958

No Brasil, este livro foi lançado pela Ciranda Cultural , com tradução de Silvio Antunha. Original da França, não consegui encontrar detalhes sobre a autora, mas, quem se aventura no Francês, pode conhecer um pouco mais da ilustradora aqui.

~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

Toda vez que eu leio este livro, coloco-me a pensar nos significados que podem estar escondidos. Assim como o texto, a ilustração me dá a impressão de um enredo com inúmeras dobras interpretativas. É como se eu tivesse que deixar o livro na minha imaginação para que eu pudesse sonhar os significados possíveis do que me foi passado.

IMG_1900

Ora, quem nunca quis descobrir um pouco do mundo e de si mesmo? Quem nunca teve um momento em que olhasse para além da janela e se perguntasse se há um grande segredo?

O nome Simon, protagonista da história,  é uma variação de Simão e tem como significado: aquele que ouve. As vezes, confesso, ouvir as árvores quando são balançadas pelo vento esperando que algum segredo seja revelado a mim para que eu pudesse sair em uma grande aventura.

Simon desejou virar o rei profetizado, esquecido pelos homens, para que pudesse acabar com a maldade que seu pai contava que existia no mundo. Ele conheceu um pássaro que lhe disse que poderia ensinar a mudar o mundo, porém, o pássaro voou para o sul e nunca mais voltou. Assim, o jovem que queria ser rei, saiu em busca do pássaro e das respostas que procurava.

Eu também busco um pássaro. Talvez não seja um só e sim vários.  As vezes tenho a sensação de encontrar um, mas, são apenas penas.  Outros eu já encontrei. Ao final, Simon encontrou o reino dele. Eu estou construindo o meu e ei de encontrar todos os meus pássaros reunidos.

IMG_1894

~~//~~

Pergunta do dia: Você deseja sair para alguma grande aventura?

Campanha por um blog sem erros!

Pequenos Livros: O Ratinho, O Morango Vermelho Maduro e O Grande Urso Esfomeado


Qual seu maior medo? Como enfrentá-lo?  Como o ratinho irá escapar do grande Urso esfomeado?

IMG_1781 capa

Desde sua primeira publicação, em 1984, “O Ratinho, O Morango Vermelho maduro e O Grande Urso Esfomeado”,  deve ter  causado inúmeras sensações em seus leitores. Medo, Compaixão, Receio, Ódio, entre outras…

Este picture book foi escrito pelo casal americano Don e Audrey Wood, autores premiados, que já produziram mais de 40 “livros infantis”. É muito difícil ter passado por esse “tipo” de livros, sem ter lido nenhum livro dos dois.

Os dois foram estudantes de Artes. Audrey começou a escrever livros após o nascimento de seu filho, Bruce, e Don começou  a ilustrar os livros de sua esposa no mesmo ano.  O filho do casal, hoje, também, é ilustrador e já trabalhou em mais de 20 livros.

Para conhecer mais sobre os autores , suas obras e, até mesmo, entrar em contato, podem acessar o site oficial aqui, o facebook aqui ou o twitter aqui .

É difícil pegar esse livro sem se deixar impressionar pelas ilustrações, principalmente pelo grande morango. Até mesmo consegue me tirar água na boca ao imaginar o quanto esse morango está maduro. Gosto da ilustração por me transmitir as sensações, volumes e  texturas presentes na história.

As letras do livro são grandes, porém, parecem-me pequenas diante da ilustração. Acredito que seja intencional.

No Brasil, este livro foi lançado pela brinque-book  com tradução de Gilda de Aquino (para saber mais da tradutora clique aqui ).

IMG_1777

~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

          A princípio este livro me chamou a atenção pelo modo como ele é contado. Parece que quem está falando com o ratinho somos nós, os leitores. Fiquei em dúvida… Será que não era o próprio ratinho falando com ele mesmo?  Afinal, ele morre de medo de um suposto urso que em momento nenhum aparece. O único momento que aparenta ser uma conversa de nós com ele é quando o ratinho oferece o morango como meio de impedir que o suposto urso esfomeado coma todo o seu morango.

Enfim, dúvidas a parte, fiquei pensando sobre as nossas fantasias e nossos medos que nos impedem de fazer um monte de coisa. Não seria como o enorme urso?

Só de não ter mostrado o urso na ilustração, o livro já levanta uma fantasia em todos que o leem. Como será este urso assustador? O que não aparece dá mais medo. Não dá para ver e conhecer o que causa o terror e isso paraliza. O não conhecer paraliza…

Alguns filmes de terror tendem a usar isso… Não mostrando o “Monstro”…Se mostrar perde a graça né? Nossas fantasias são muito mais assustadoras…

Quem nunca teve um medinho sequer do escuro quando criança? Lembro-me de acordar na madrugada com sede e acender todas as luzes da casa para poder descer a escada. Do que será que eu tinha medo? O meu urso era tão assustador assim? Não sei a resposta disso, mas sei que o meu lençol me protegia na volta para a cama. Além, claro, da minha super espada mágica….O pior é quando você descobre que seu grotesco urso assustador…é um ursinho de pelúcia haha, normalmente essa descoberta chega com uma frase: “Nossa! Era Só DISSO que eu tinha medo?”

IMG_1768 oi

Há inúmeras formar das pessoas lidarem com o medo. E, normalmente, todas elas se encaixam em duas: fuga ou modificação. Ou foge completamente, “esquecendo”,  apagando… ou, transforma a “coisa” em algo, numa fantasia…. O “não-conhecimento”, assim, é aliviado.

O ratinho enfrentou realmente o urso? Ou foi fantasiado que dividindo o pedaço do morango, o urso não aparecia?

Estou viajando muito? Mas, uma coisa é certa….o medo se torna mais tolerável quando ele é dividido com alguém….

IMG_1783

~~//~~

          E a pergunta do dia é: Quem é o seu grande urso esfomeado?

Pequenos Livros: Adivinha Quanto eu Te Amo


O amor pode ser  medido? É nesta emblemática questão que o coelhinho pai e  coelhinho filho se aventuram.

IMG_1738 título

Adivinha Quanto Eu Te Amo se tornou um clássico-moderno (se assim posso chamar) da “literatura infantil”, com mais de 28 milhões de cópias vendidas no mundo todo, este livro, certamente, passou pelas infâncias de inúmeras pessoas. Tenho certeza que cada uma dessas pessoas tem uma história única com este livro.

Ao ler duas entrevistas com o autor, aqui  e aqui , conheci um pouco mais de Sam McBratney , Irlandês, que está a mais de 30 anos escrevendo “livros infantis”. Recomendo enormemente que leiam =). Um dia eu tento traduzir para colocar aqui no blog.

O autor não esperava que o pedido de seu editor para fazer um picture book ( uma divisão que ocorre entre esses livros) fosse fazer tanto sucesso. Voltando-se à um pequeno fragmento que escreveu em um livro anterior, ele se encontrou no duro trabalho de escrever uma história concentrada em poucas palavras que pudesse trazer uma forte conexão aos leitores.

As palavras de Sam McBratney casaram-se muito bem com as ilustrações de Anita Jeram, para conhecer seu site oficial clique aqui , gosto da simplicidade dos seus traços. Parece-me simples e ao mesmo tempo cheio de detalhes. Dá-me a sensação de liberdade.

As letras do livro são grandes, permitindo leitores de todas as idades! Gosto da harmonia entre o gráfico da letra e a ilustração, nenhum deles saltam aos olhos imediatamente,  impedindo um ou outro de aparecer.

Aqui no Brasil o livro foi lançado pela wmfmartinsfontes com tradução de Fernando Nuno. Você pode encontrar mais informações aqui.

Este livro pode ser encontrado em versão de bolso ( clique aqui), versão pop-up ( que eu particularmente amo clique aqui) e há uma versão (que eu dei de presente para a Flá) feita pela editora Salamandra, chamada livro fofinho, toda em tecido e com um belo acabamento. Na versão fofinha não contém a história integral, porém, não acaba com a essência da história e dá até para dormir em cima dele!

E é com grande felicidade que eu descobri, não muito recentemente, que foi lançado este ano um livro com 4 pequenos contos envolvendo os personagens queridos coelho pai e coelho filho.  Estou louco para ler. Você pode saber mais aqui. Assim que eu ler colocarei uma resenha do livro aqui para vocês.

~~//~~

ATENÇÃO: A partir daqui pode conter spoiler do livro

IMG_1752 2

Bom, como eu disse anteriormente, este livro tem uma conexão incrível com seus leitores. Talvez por, realmente, ser uma história universal. Quem nunca ficou tentando medir a quantidade de amor que existe?

O teste que o coelhinho filho impõe ao seu pai tentando entender o quanto de amor existe mostra um pouco de nossas inseguranças quanto a vida e até mesmo ao amor. Precisamos nos sentir amados e amar também. Ainda bem que o coelho pai deixa, no finalzinho, o coelho filho ganhar por um momentinho. Entre ganhos e perdas se faz uma relação.

IMG_1743 2

Imagine se o coelho-filho perdesse todas? O quanto de insegurança iria ter sobre sua própria capacidade de amar?O amor foi longamente discutido por inúmeros poetas, escritores, cientistas,psicólogos,psicanalistas, entre outros. Isso já revela o quanto é forte esse tema. Repleto de contradições.

E foi assim que esse livro ganhou minha admiração, sua simplicidade para com algo muito complexo. E não deixou de perder a complexidade. Do livro se pode tirar inúmeras discussões.

Lembro-me muito bem do dia em que a Flávia me apresentou esse livro, dizendo que fez parte da sua infância. Li e a pergunta que ficou em minha cabeça foi: Em que lugar estava esse livro enquanto eu sofria, enquanto criança, com a dúvida sobre o amor da minha família? Poderia ter me ajudado a entender todas as fantasias que tive. Sou o único que teve e tem essas fantasias sobre o amor?

Com o tempo fui descobrindo mais e mais sobre esses sentimentos e vi que a dúvida não só é exclusividade do amor e sim dos diversos sentimentos para o mundo. Percebi que eu precisava duvidar para acreditar.Os testes sempre aparecem…Afinal, muitos não dizem que são nas piores situações que os verdadeiros amigos aparecem? Parece-me um teste. Não?

Toda essa discussão me lembra (e muito) o filme Amour, um filme francês, lançado em 2012 do diretor Michael Haneke com roteiro do mesmo. Este filme nos trás a história de um casal (Anne e Georges) de idosos.  Anne, ao passar por uma cirurgia, tem parte de seu corpo paralizado. E assim, os dois começam a enfrentar situações muito difíceis e complexas. O quanto estamos dependentes de um outro-segnificativo? Qual o limite da quantificação e teste do  amor . E, enfim, o que é o amor? Se puder, assistam! Eu o recomendo e gostaria de discutir sobre a percepção de vocês, meus queridos leitores, sobre essas questões!

IMG_1746 2

~~//~~

          E a pergunta do dia é: O quanto você ama?  (Tem resposta para isso?)

Pequenos Livros: A cachorrinha Lalá


          Olá pessoal! Preparados para o meu primeiro post sobre “livros infantis”? Eu sempre o dividirei em dois momentos, resenha e texto. Na resenha tentarei trazer os dados técnicos do livro e, se tiver, algumas curiosidades e no texto, escreverei algumas questões que, no livro, me chamaram a atenção. Boa leitura!

IMG_17363

Lalá, uma cachorrinha de pernas pequenas e gordinhas, pelo castanho, orelha caída, nariz preto e cara branca, amava ir a praça para passear e se divertir com a sua amiga. Porém, sua dona só a levava quando já estava anoitecendo e, pobre cachorrinha, ficava o dia todo sozinha.

Até que um dia, Lalá encontrou uma janela aberta e saiu para explorar o mundo. Durante sua jornada, ela encontrou uma cachorra bem grande chamada Bolota que a levou para conhecer muitos lugares bonitos e, outros, um tanto perigosos.

Quais são as aventuras que Lalá enfrentará?

Escolhi esse livro para começar não por ser meu preferido, mas, por ser o meu mais velho e, possivelmente, o meu primeiro livro (gosto de imaginar isso!). Desde que eu me lembre por gente, este livro está na minha estante.

Ao que me parece, as ilustrações me lembram muito os desenhos mais antigos, como pica-pau, o mundo fantástico de Bob, entre outros (afinal, o livro é de 1986!).Uma coisa que eu gosto de observar é a fonte do livro, tranquila de ler, raramente conseguimos encontrar esse tipo (na parte seguinte do texto há uma foto que mostra como ela é).

Uma curiosidade que descobri da autora é que ano passado foi o seu centenário (o.O) e para saber um pouco mais dela você pode clicar aqui

Para quem se interessar, eu encontrei o livro para vender na estante virtual  (menor preço R$7,00) e na livraria resposta (preço: R$ 3,60)

~~ // ~~

IMG_1714

O que sempre me chamou atenção no livro foi a janela… a janela que era pulada pela cachorrinha para sentir-se mais inteira.

page

No momento em que leio sobre a fuga, sempre me recordo das várias vezes de, enquanto criança, ter olhado pela janela à noite toda estrelada. Imaginando o quanto o mundo era imenso e o quanto eu gostaria de conhecê-lo.

Nos dias mais nublados e chuvosos, meu olhar inevitavelmente busca alguma janela. Parece-me que eu me sinto mais completo, com pensamentos tão sensíveis que mal consigo entendê-los. O meu coração somente estremece!

Encontrei nos livros e nas pessoas a minha janela! São nesses momentos que consigo visualizar algum sentido. Agora, tenho esse blog que, acredito, que vai me ajudar bastante.

Mudando de assunto, ao reler o livro é estranho me reencontrar nas marcas que já deixei nele um dia. Marca de tentativas de escritas ou desenhos como as seguintes:

cats

Coloco-me a pensar sobre os motivos que me levaram a rabiscar, desenhar e escrever no livro. O livro em si tem muito mais histórias do que a que é contada.

Outra coisa que lembro é da imagem da Lalá triste.

IMG_1712

Sempre me cortava o coração, talvez por ter me sentido muito sozinho no meio da multidão. Quer dizer, toda vez que eu me sentia assim, eu buscava esse livro. Estava eu procurando a tal janela?

~~//~~

Por que escrevo “livros infantis” entre aspas meu caro amigo leitor? Isso é porque eu não gosto da didatização dos livros, sendo que alguns são feitos somente para ensinar saberes institucionalizados. Mas, enfim….quem sabe um dia eu escrevo um post sobre isso! Seria uma discussão um pouco longa e eu teria que estudar um pouco mais =) Mas, um dia trataremos mais sobre isso!

E a pergunta do dia é: E você? Já pulou alguma janela?